Arraste a tela ou use as setas do teclado para navegar

Outubro Rosa

Não sei exatamente como começar este post… Talvez por ser um assunto tão importante, ou simplesmente porque é um assunto mais delicado para mim.

A minha maior inspiração já não posso mais pegar o relato ou ter um registro fotográfico, então tomo a liberdade de contar sua história como espectadora, em seguida conto a história de outras duas grandes mulheres que conheci e fiz um ensaio para poder enriquecer este post e nos inspirar ainda mais, duas mulheres que também enfrentaram a doença e ainda tiveram a felicidade de gerar um vida durante e depois da luta contra o câncer.

Margarida Basile

“O meu primeiro contato com a doença, veio por conta da minha mãe, Margarida, eu tinha 10 anos quando ela descobriu através do auto-exame, ela tinha 40. O diagnostico foi confirmado e passou pela sua primeira cirurgia para retirada do tumor. Minha mãe não queria perder o cabelo ou parecer doente pra mim e minha irmã (ela me contou essa história anos depois), então fez um tipo de quimioterapia mais amena que não caía o cabelo e fez radioterapia. Como o protocolo de quem teve câncer de mama, ela precisava tomar as medicações por 10 anos.

Para nossa surpresa, pouco antes de 10 anos, o câncer voltou, na mesma mama. Só que desta vez ela precisou fazer a mastectomia, fez a quimioterapia que caía o cabelo, o que a deixou bem triste e ela tinha ficava muito debilitada após cada sessão. E passado um tempo, ela me contou que não tomava as medicações como devia, que às vezes passava alguns dias sem tomar. E imagino o quanto de culpa ela deve ter carregado por isso, pelo câncer ter voltado.

1470256_10201644970860043_79892488_n 10636137_10203705576693901_5604036275557815503_n 11034307_10204556025274584_5782622465716239690_n

Passados pouco mais de 10 anos, infelizmente o câncer voltou, mas desta vez metástase, e muito, muito agressivo. E desta vez, com uma pontinha maior de indignação, segundo ela dizia, não passou 1 dia sem tomar a medicação. Obviamente entender e justificativas nunca vou ter, mas minha mãe enfrentou uma luta de mais de 20 anos contra o câncer, quer uma inspiração de luta para viver maior que essa? Em agosto fez 3 anos que ela partiu.”

Tentei falar de forma bem resumida a história da minha mãe, mas o que posso dizer é que ela foi e será pro resto da minha vida, uma heroína que nunca desistiu de acreditar na vida, sem nunca perder a bondade que sempre teve no coração com tudo e com todos. A única parte que me dói, é não ter um registro especial, meu e dela.. Eu, que tanto amo e valorizo a fotografia, tenho registros mais antigos e não custava eu ter reservado 1 dia da minha agenda para termos uma recordação pra vida.

11095239_10205830002363215_6691289747447796576_n  12187741_10206162400112951_1765674183848771562_n

***

Denise Aguila

A Denise, 41 é dona de uma simpatia contagiante, casada e mãe da Maria Alice, de 6 anos, que é uma graça e super falante!

Ela descobriu o câncer de mama com 34 anos, quando estava com poucos meses de gestação. A gravidez foi muito desejada, vinham tentando engravidar há mais de 1 ano. A Maria Alice sabe sobre o dodói que a mamãe teve, elas conversam sobre o assunto com naturalidade e ela adora ver as fotos de quando nasceu! <3

DSC_0064 DSC_0054

Como foi receber a notícia do diagnóstico? O que pensou/o que passou pela sua cabeça?

“Foi um choque receber o diagnóstico pois estava no meu melhor momento como mulher.  Só pensava se eu conseguiria ver meu sonho realizado, que era ter minha filha. O resto nada mais me importava. O sentimento de vida (gravidez) e morte (diagnóstico de câncer ) andando paralelamente era assustador e fiquei perdida no primeiro momento mas com o passar dos dias, fui me concentrando no meu tratamento e na minha cura. Eu não tinha outra opção a não ser pensar na cura pra que ela pudesse nascer saudável.”

O que foi crucial ou de muita importância para você durante o tratamento?

“Foi muito importante o amparo médico que recebi, tratando com muito carinho e cautela em todas as etapas, pois como eu estava grávida e teria que fazer a cirurgia e a quimioterapia neste mesmo período, tudo era muito acompanhado e monitorado , o que me trazia muita segurança , porem o mais importante de tudo foi o apoio de toda família e amigos que sempre estavam meu lado me ajudando de alguma forma e a fé em Deus que foi meu alicerce.”

Como você está hoje? Faz acompanhamento? Como foi após o término do tratamento e se ver livre do câncer?

“Hoje estou ótima. Faço acompanhamento semestral inclusive ainda com medicação pois o protocolo é de 10 anos. Após a última quimioterapia e radio me senti aliviada e livre da doença contudo, sempre me mantenho alerta com tudo e com exames preventivos em dia.”

DSC_0075 DSC_9992 DSC_0069

A questão da vaidade foi afetada, devido as fases da doença ?

“Sim. Quando eu fiz a mastectomia radical não fiz reconstrução imediata, pois estava grávida de 4 meses mas o fato de ficar sem a mama não me afetou tanto se comparado com a queda do cabelo. Isso se deve ao fato de que a queda era a externalizacao da doença para todos. Com a queda do cabelo, meu sentimento era como que se a vaidade estivesse saindo toda de mim..foi horrível… só agora, depois de 6 anos começo a recuperar minha vaidade da forma que era antes, mas também entendi que isso não é o mais importante mas sim, minha saúde.”

O que você deixaria de mensagem para mulheres que passaram ou estejam enfrentando essa luta contra o câncer?

“Prevenção é a palavra chave . A luta não é fácil mas é preciso enfrentar, sempre focando a cura e alimentando pensamentos positivos com muita fé e desejo de que o tratamento terá resultado satisfatório. No meu caso, minha filha foi minha maior inspiração. Em todo tratamento eu não me permitia cair, pois tinha uma vida que dependia de mim para vir a esse mundo. Hoje, ela é minha maior  companheira e minha razão de lutar sempre.”

Também falamos sobre ter mais filhos, mas a Denise teve aconselhamento médico a não engravidar durante o tratamento de 10 anos, então apesar da vontade de ter mais um filho, ela tem consciência e tranquilidade de que talvez não seja possível.

DSC_0001

DSC_0006 DSC_9998 DSC_0005

***

Adriana Cozzo Chambon

A Adri eu já conhecia, por ser irmã de um antigo cliente, e conhecia por cima o que tinha passado. Ela é casada e é mãe de 3 meninos, o Pedro, o Dudu e o Lipe, um mais lindo que outro.

Descobriu o câncer de mama com 32 anos. Ela já tinha o Pedro, que tinha 4 anos na época, e ela queria ter ao menos mais 1 filho (apesar da vontade de ter mais 2).

DSC_0095 DSC_0122

O que sentiu quando veio o diagnóstico?

“É estranho dizer, mas quando eu soube o diagnóstico, uma força muito grande tomou conta de mim! Eu havia perdido minha mãe e minha sogra para o Câncer de Mama, mas a partir do momento que eu tive o diagnóstico, eu já tive certeza da cura! Eu prometi que eu batalharia duro como as minhas 2 heroínas, mas que o meu final seria diferente!”

O que foi essencial para você durante o tratamento?

“Manter o meu dia a dia sempre dentro do possível!! Respeitando o meu corpo e os meus limites… Tinham dias que eu ficava na cama, sentindo os efeitos pós-quimio, mas assim que melhorava, levava meu filho na escola, ia para o trabalho, marcava uma saidinha com as amigas, saía para jantar com o marido! Isso me fez sentir cada vez mais confiante!”

DSC_0149 DSC_0140 DSC_0144

Como você está hoje? Faz acompanhamento? Como foi após o término do tratamento e se ver livre do câncer?

“6 anos e meio depois, estou ótima e curada!!!! A partir do momento que temos câncer, fazemos o acompanhamento para sempre, a cada ano que passa, os exames vão ficando mais espaçados, até voltarem a ser anuais, mas sempre com o alerta de qualquer alteração no corpo!! Eu terminei o meu tratamento no dia 21/12/2012 (havia iniciado em Abril)(. Era uma sexta-feira, antes do feriadão para comemorar o Natal! Foi o último dia de radioterapia!! Eu estava plena, em uma felicidade enorme de poder comemorar o Natal livre! Pude começar o ano de 2013 zerada e pronta para receber o Dudu, que veio ao mundo em Setembro!”

O que você deixaria de mensagem para mulheres que passaram ou estejam enfrentando essa luta contra o câncer?

“PENSE EM VOCÊ! Pensar em você não é ser egoísta, mas estar preparada para cuidar daqueles que você ama! Você primeiro precisa estar bem para fazer o bem aos outros!!!

ACREDITE! Acredite que você vai vencer, acredite que tudo o que está passando é uma fase de aprendizado e que lá na frente, você se tornará uma pessoa mais forte!!!

SONHE! Tenha sonhos, você vai viver muito!!! Pense sempre no seu futuro, ele será lindo!!!”

O Dudu veio logo que ela terminou o tratamento, não era nem esperado que estivesse grávida, e olha só! No caso dela, devido ao tipo de câncer não ser hormonal, mas não por isso menos agressivo, ela não tinha restrição médica para poder engravidar. Então conseguiu realizar seu sonho de ser mãe de 3!

DSC_0160 DSC_0158

DSC_0167 DSC_0117 DSC_0111

***

É amplamente divulgado e há várias ações de grandes empresas, durante o mês de Outubro, para lembrar da importância da prevenção do câncer de mama, onde a parte mais importante é a atenção que a mulher precisa ter consigo mesma e com seu corpo.

E quando chegou Outubro, me veio junto com ele uma vontade imensa de falar sobre o assunto (acho que é a primeira vez que falo um pouco mais sobre este assunto, por ser muito muito difícil falar sobre ele pra mim) e assim talvez despertar um pouco este carinho que precisamos ter conosco, ressaltar a importância das memórias e lembranças que vamos deixar e/ou que temos das nossas vidas. E poder ouvir e registrar com um ensaio algumas histórias foi extremamente gratificante para mim, ver que há muita felicidade possível mesmo depois da doença. E este foi meu objetivo, que possamos nos inspirar nestas histórias em todos os sentidos: a nos amar, cuidar, fortalecer e nos fazer refletir sobre ao que é importante nas nossas vidas.

Aproveito aqui pra deixar dois vídeos que contam um pouquinho mais da história destas mamães que fotografei:

3 comentários

  1. Ahhh..caiu um cisco aqui rsrsrs… quero registrar meu agradecimento pela linda e delicada matéria que você fez. Pode ter certeza de que ajudará outras mulheres também….muito obrigada

  2. Muito lindo seu trabalho! Emocionantes os relatos!! Parabens a vc e as heroinas, que sao exemplo e motivação a muitas outras mulheres!!

  3. Parabéns pelo seu trabalho e também para essas meninas guerreiras!! Sou amiga da Denise e acompanhei de perto toda essa história. E realmente, o sorriso, o bom humor, a fé, foram os diferenciais para a recuperação dela. Beijão a todas vocês!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Vamos conversar?

*

*

*


Entre em contato

Gostou das fotos? Interessada(o) em registrar alguns dos melhores momentos do seu bebê? Preencha o formulário que entrarei em contato.

Também estou nas redes sociais:
Facebook | Instagram